A FAVOR DE GENTE NÃO TRANSPARENTE

(ou melhor dizendo: que tal reaprendermos a arte de calar?)

Uma coisa que me incomoda hoje em dia é o excesso de sinceridade das pessoas. É um tal de jogar verdades na cara, de falar o que se pensa sem ser questionado... Deus me livre! E o mais agravante: as palavras são ditas sem que ninguém se dê ao trabalho de se colocar no lugar do outro. (Ei, eu precisava ouvir isso agora?). Não importa. A necessidade de DIZER calou o bom senso.

Penso sobre isso e me pergunto: onde está a gentileza e a boa educação? Para quê tanta falta de noção (consigo mesmo e com os outros)? Será que a tecnologia, com seus blogs, twitters e tudo mais, nos deixaram livres demais e esquecemos nossos filtros internos na vida real? Será que nos tornamos tão individualistas que perdemos o fio da meada? Isso me deixa confusa, confesso. Nossas pequenas necessidades não deveriam ser mais importantes que o outro. Morro de medo de me perder nisso e me questiono diariamente: será que estou me tornando uma pessoa para a qual eu escreveria esse texto?

É, turma. Ser gentil nos dias de hoje se tornou um exercício. Saber a hora certa de falar (ou de calar) também. Está a fim de dizer abobrinhas? Vai pra terapia, tem gente (boa) especializada nisso. Está a fim de descarregar suas frustrações? Vai pra uma aula de boxe, dá uma corrida, abraça uma árvore... Mas, por favor, não diga em nome da pobre-coitada da sinceridade, verdades que só irão piorar o seu dia (ou o do outro).

Será que antigamente era assim? Nossas avós e bisavós diziam tudo o que pensavam e ainda se orgulhavam disso? Pelo que eu me lembre, não. Mas posso estar enganada. As mulheres da minha família têm muito jogo de cintura e sempre souberam a hora certa de NÃO dizer. Porque – vamos combinar! - o que não dizemos, às vezes, é muito mais importante do que aquilo que foi dito. Será que ninguém se lembra daquelas conversas que, quando crianças, tínhamos com os adultos e eles nos ensinavam que, se não temos nada de bom a acrescentar, deveríamos ficar quietas? Escrevo isso e me lembro daquela famosa frase que sempre surge nos horóscopos e conselhos dos mais sábios: “a palavra é de prata, mas o silêncio é de ouro”.

Então tá. Se fosse fácil, não estaríamos vivendo essa crise de sinceridade mundial. Existe uma linha tênue aí. Nós adoramos falar e mostrar nossas opiniões. Expressar-se é uma das melhores coisas do mundo (e estou aqui – escrevendo - para provar). Mas quando isso prejudica (ou magoa) o outro, então é melhor pensar duas vezes, concordam? “A verdade salva!”, alguém, gritou! Sim, em alguns casos, salva. Mas, em outros, pode dar uma confusão danada. Ou gerar sentimentos que poderiam ficar fora do roteiro.

Quer exemplos simples pra ilustrar? Uma amiga está fazendo dieta a duras penas e ouviu, da professora de inglês, que parece estar mais gorda do que há um mês atrás. PRECISAVA? Mais: um rapaz saiu, após seu divórcio, com minha vizinha, e falou durante todo o primeiro encontro sobre como a ex-esposa era maluca e como atiravam objetos um no outro. SENSATO? Uma outra conhecida (que também acha que as pessoas cometem sincericídio nos primeiros encontros) saiu com um paquera incrível e disse, antes do garçom chegar, que faltou à depilação só pra não correr o risco de ceder aos encantos do moço e deixar que ele a levasse pra cama (coisa que nunca aconteceu). E a lista não para nunca: o namorado de uma prima contou que já teve um affair (antes do casal se conhecer) com uma amiga do trabalho. NECESSÁRIO? Não. Ainda mais que a mulher é o uó do penacho preto, ainda trabalha no local e minha prima agora fica se questionando sobre o mau-gosto do rapaz. (Além de fantasiar que a ex vai chegar de cinta-liga tamanho extra-extra-extra-large para trabalhar).

Pergunto a vocês: nesses casos, o que salva? A verdade ou o silêncio?

Aí vem algum boçal e me diz: a verdade dói, meu bem. Eu concordo. A verdade dói SIM e, por isso mesmo, deve ser dita com muito jeito. Entende? Eu não compreendo que moda é essa de dizer tudo o que se passa pela cabeça. Cadê o filtro, gente? Pra que tanta verdade? Ou melhor: por que essa necessidade de ser tão transparente? É alguma culpa católica? As pessoas, em nome da verdade, vão ser absolvidas por serem más ou egoístas? Por magoarem o outro? Eu vou falar uma coisa que eu guardo a sete-chaves: eu sempre desconfio de gente que se diz transparente. Dá pra confiar em alguém assim? Pra começar, quem se diz transparente, mente. Todo mundo tem seus sagrados. Seus segredos. Seus mistérios. E é bom que eles sejam preservados. Por isso, preserve-se. Preserve-os. E saiba a hora certa de se calar porque – convenhamos –a gente tem dois ouvidos e uma só boca não é à toa.




Ps: Beijos para todos e obrigada pelas mensagens fofas aqui e no twitter! ;)

51 Fala, coração!:

Anna Lígia BaMartin disse...

Falar a verdade sempre foi algo que eu preservei em mim. Mas sou aquele tipo de pessoa que, além de medir a sinceridade e as palavras, acredita naquela frase que diz: Não é o que tu falas, mas sim COMO falas. Não estou defendendo a verdade entre uma brincadeira. Estou apenas dizendo que é preciso, extremamente preciso, que as pessoas comecem a se policiar não só pelas verdades ditas, mas também em como elas são faladas.

Não preciso dizer que sou tua fã e adoro teus textos. Te acompanho no twitter e no orkut. E sem medir palavras, sinceridades ou verdades: Tu és uma das melhores escritores que conheço na atualidade.

Parabéns, Fernanda. Tu és realmente encantadora.


PS. Agora que o inverno passou, seria bom escrever mais de um texto por Estação, não? É tão bom! (pra gente)

Anna Lígia BaMartin disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Renata Carvalho disse...

Que maravilha de texto, de argumento contra essa moda de sair dizendo o que vem a cabeça e ainda com o argumento de estar sendo "SINCERO"!
Alguém me ajuda né... Nem toda verdade é pra ser dita, e digo mais nem toda verdade é sincera...
Conheço pessoas que dizem dizer verdades, mas vejo que a intenção "sincera" era de ferir o outro!

Parabéns Fê, brilhante o texto!

Marília disse...

Penso que o seu post, por si só, dispensa comentários.
ADOREI!
Falou por mim e por muitas outras pessoas quem pensam antes de falar.
Nota 10, Fernanda!

Lívia disse...

Perfeito.. Se encaixa muito com uma pessoa que eu conheço, ou conhecia.

B R E N A disse...

Pois é... to aprendendo depois de velha. Vc ta certísisma!
Beijos

Kellica disse...

Fernanda
Eu posso me considerar uma pessoa de "bons ouvidos" e sempre me questiono se deveria "falar" mais ou continuar me policiando.Na verdade não há uma regra, td "depende de": uma ocasião, de quem, do que...enfim, mas eu concordo com você q hj as pessoas estão mais intolerantes e se acham donas da verdade. Só nao podemos esquecer que cada um TEM A SUA VERDADE, depende do angulo que você olha. Enfim, qdo é necessário falar é só saber falar e nao ir explodindo palavras que realmente podem magoar o outro! Pra que magoar se podemos abraçar?
Adorei seu texto!

Lud disse...

Mais um texto em que me encaixo.. já passei da hora de aprender a ficar calada!

Parabéns Fe!

Beijos

Anônimo disse...

PUNTO E BASTA....simples assim!
Concordo em gênero, nr e grau.
Bjs
Fê Novak

Marília Marques disse...

A pergunta ficou: o que salva: a verdade ou o silêncio??
Rs [Boa!]

**Comecei a seguir o blog.

Anônimo disse...

Conheço um poema que pode ter a ver:

"Engasga.
Engole as palavras.
Tosse para respirar.
Mas se o nó na garganta apertar,
Diz tudo.
E desnuda sua alma".

Conhece?

LUZIA disse...

Tem coisas que não precisam ser ditas, que não acrescentam em nada, só fazem piorar a situação. O mais correto a fazer é deixar (ficar) quieto. Embora eu muitas vezes seja sincera demais, sei se devo ou não falar e o momento certo.

Adorei o texto :)
Beijos

Caco disse...

Tens razão. É importante pensar bem antes de abrir a boca.

Marina disse...

Nossa, Fê, amei o texto!
Realmente tenho aprendido que calar é bom demais!
Afinal, contra palavras disparadas e ditas, não há mais remédio; não há como voltar atrás. Acho também que a sinceridade demasiada vem com a intempestividade e impul...sividade!!!
É por isso que sempre digo que desenvolvendo a calma e a paz interior, não há contaminação pelas circunstâncias externas. Dessa forma, a necessidade da verdade "vomitada" (desculpe o termo) se esvai.
Gosto muito de uma frase de Vihelm Ekelund, que diz: "Gosto um pouco mais da verdade quando sou eu quem a descubro e não outro que me a mostra." E além disso tem uma muito boa, do Michellangelo Buonarotti que resume todo o seu brilhante texto: "Que seja doce a dúvida a quem a verdade pode fazer mal."
Sei lá, acho que acredito em quem está buscando a verdade, mas duvido muito de quem já a encontrou!
Besos, Fê!

Mika disse...

Meu namorado é assim, Fê! Se acha o Sr. Sincero! Ele diz ate que aquela música ' sincero ' do Lulu Santos, é a cara dele. Mas, ele magoa tanto com o excesso de sinceridade! Acho que sou a mais atingida por estar mais perto dele. Mas, ele magoa vários amigos dele tb! Mas, enfim... Amei seu texto e acho que vou mandar pra ele! ;)

Mika disse...

Meu namorado é assim, Fê! Se acha o Sr. Sincero! Ele diz ate que aquela música ' sincero ' do Lulu Santos, é a cara dele. Mas, ele magoa tanto com o excesso de sinceridade! Acho que sou a mais atingida por estar mais perto dele. Mas, ele magoa vários amigos dele tb! Mas, enfim... Amei seu texto e acho que vou mandar pra ele! ;)

M.M.M. disse...

"Engasga.
Engole as palavras.
Tosse para respirar.
Mas se o nó na garganta apertar,
Diz tudo.
E desnuda sua alma".
Prezado Anonimo.
Linda poesia, repleta de ansia de lavar a alma.Me parece que é de alguém que chegou no máximno da tolerancia em uma relação.Aí sim é hora de olhar no olho e dizer tudo,mas o que a Fernanda quis dizer é silenciar sobre as pequenas coisas do dia a dia que não acrescentam nada e machucam as pessoas sem necessidade.

Flávia Lola disse...

Esse texto é perfeito e não tem nada a ver com mentira. Tem a ver com a arte da gentileza e da humildade. De saber que não existe verdade absoluta e sim a opinião de cada um. Quem se cala, aprende a ouvir e a enxergar a verdade do outro e acaba aprendendo mais sobre si mesmo. Se expressar é ótimo e desabafar alivia a alma, mas fazer isso sem ofender não é fácil, é um eterno aprendizado. Sista, vc é foda!!!

Anônimo disse...

Sim, concordo com Flávia e isso é realmente importante. A poesia acima é da própria Fernanda, do livro Princesa de Rua. O meu ponto é que assim como há a hora de calar, há a hora de dizer e revelar a alma. Portanto, o discernimento é de cada um e cada um se vale do que é melhor para si em dado momento. Não há verdade absoluta, há apenas escolhas. (E cada um sempre arcando com as suas, querendo ou não).

O Duque de Alexandria disse...

La vérité est bonne, mais ça fait mal.
Parabéns!!
Bisous!!

Ludmila Melgaço disse...

Lendo os comentários da Flávia e do Anônimo eu acabei lembrando de algo que eu mesma escrevi:

"E não permito que quem quer que seja me imponha o que é certo ou errado. Guarde suas grandes e inabaláveis certezas, saberes da vida e verdades absolutas pra você."

Bonito mesmo é saber a hora certa e o jeito certo de falar oou calar. Mais bonito ainda é saber ouvir e aceitar o outro. Como dizem por aí, "aceitar é ser feliz!".

Arrasooou, Fê!

Linha disse...

mto bom o texto, nos faz pensar sobre como demonstrar a nossa sinceridade: de forma gresseira e estupida ou de maneira pensada e argumentada. É mto bom encontrar mentes criticas que nos ajudam a criticar da maneira correta: fundamentada e ponderada. parabens pelo texto.
http://www.paulakarines.blogspot.com/

Daviolao disse...

é tudo a mais pura verdade.

Francielly Calheiros disse...

nooossa! arrasou com esse texto. penso exatamente do mesmo jeito que vc, tem gente que realmente nao sabe a hora de calar. Sou super a favor da sinceridade e tal, mas tem coisas que devem ser bem pensadas antes de serem ditas, essa coisa de "ah, a verdade dói, eu falo é na cara mesmo" nãão cola, coisa de gente ignorante que nao sabe se colocar no lugar dos outros.
é isso aí, amei o texto. ;*

J.G disse...

Fê, ler seu blog pra mim é uma terapia.
Eu me encaixei nesse blog, eu falo demais! Bom passou dá hora, já devia ter ligado o desconfiometro a muito tempo!
Isso foi quase um "abre o olho!" Um alerta e um bem aos convivem comigo.
Com certeza me policiarei.

Obrigada! kkk

Meu amigos e os demais, agradem...
Beijos e muito sucesso!

Simone Aline disse...

E eu assino embaixo... pra variar! Quisera eu ter vivido na época da vovó...rsrsrs
E em alguns momentos quisera eu que a verdade não fosse dita assim... "nua e crua"!!!!!
Tem gente que faz pra magoar mesmo, e o pior, usa essa de "sinceridade" para posar de "boa gente"! Vai entender...
Bjs querida!

Thais Abreu disse...

Meu pai sempre me ensinou que tudo em excesso torna-se prejudicial, patológico algumas vezes. Creio que até mesmo a sinceridade, qualidade tão aplaudida pela moral e ética, tenha seus limites sociais.
Surge neste contexto o bom senso, qualidade que todos deveriam dispor.

sindrominha disse...

oi amei o seu texto, visite o meu blog de textos pessoais, obrigado.

Victória Resende disse...

Estou aprendendo as poucos a arte de calar. Verdades tem que ser ditas, mas se não acrescentam em nada, pra quê?

Sempre que venho aqui, me encanto com suas palavras. Você parece conhecer a fundo tudo que seus leitores sentem, Fê! Parabéns. E continue com esses ótimos textos que tornam nossos dias melhores.

Gislaine Fernandes disse...

Nossa esse post foi muito forte, me enquadrei em muita coisa que vc falou aí e estou repensando tudo aqui, sempre achei legal dizer a verdade, não sei se a forma com que tenho dito é certa ou errada mas vc me fez pensar agora. Acho que me perco por querer ajudar o outro, estar junto, mas o calar eu sei, tem a hora de falar e a de calar isso eu bem sei,mas muitas vezes as pessoas te tiram do sério e toda a sua gentileza vai por água abaixo. Depois de hoje vou repensar!
beijos

Cid Costa Neto disse...

Gostei do texto, mas é preciso distinguir uma pessoa sincera da impertinente. Assim como a mentira, a verdade também pode ser articulada. E mesmo quando em favor de alguém, deve-se cuidar da forma como ditas.

Não acho que existe uma crise de sinceridade, mas sim de moralismo. Pessoas que acreditam dizer a verdade pela sua forma de ver as coisas e ignoram e até agridem aquelas que enxergam diferente. Um pouco daquilo que você disse sobre o individualismo.

Antigamente as pessoas eram mais próximas e obrigadas a se tolerarem, suportarem aquelas manias chatas um do outro. As famílias eram maiores, os circulos de relação também. Portanto, como meio de lubrificar os atritos, as pessoas eram mais gentis e sabiam relevar determinas coisas. Hoje em dia, as pessoas ligam o "fodas", fazem e dizem o que querem... A regra é: "os incomodados que se retirem".

Josi Puchalski disse...

Sempre passo por aqui pra dar uma olhadinha. Gosto muito do jeito que vc escreve. O próximo passo será comprar o seu livro, que deve ser ótimo.

Um beijo

Josi
http://eutimiaasavessas.blogspot.com/

Anônimo disse...

Viciada em poesias, talvez se divirta em: http://papopoetico.blogspot.com/
A Poesia é necessária
Tudo de bom

Carolina Oliveira disse...

Você escreve muito bem! te "conheci" hoje e já posso dizer que sou fã.Parabéns! (:

Carolina Oliveira disse...

Você escreve muito bem! te "conheci" hoje e já posso dizer que sou fã.Parabéns! (:

Marcelop4 disse...

Sempre estou por aqui lendo...lendo e Relendoooo...
adoro esse blog a Fernanda escreve muito bem!!!

Agora minha namorada é sua fã tbm, pq dei um livro seu para ela de presente...ela ta doidinha pelas "palavras soltas"

Marcelo de Andrade

Paula disse...

Oi Fernanda! Gostei muito dos seus textos! Esse seu último texto me tocou bastante. Já sofri um bocado com o excesso de "sinceridade" alheia, principalmente vindo de pessoas que não sabem lidar com as diferenças. Falta afeto nas relações... espero que muitas pessoas leiam seu texto também, reflitam e mudem suas atitudes! PARABÉNS!

Anônimo disse...

Gostaria que me ajudasse a divulgar meu blog. É um novo trabalho que eu fazendo... obrigada!!! Sparkiling!*

Anônimo disse...

http://www.sparkiling.blogspot.com/

ocheirodasaguas disse...

Eu amo a verdade e contra a verdade ninguém pode. Contudo, entendi o sentido do teu texto. As pessoas se aproveitam da verdade para serem maldosas, elas se escondem de suas culpas, colocando a culpa na coitada da sinceridade, um sentimento tão bom que pode ser deturpado por razões egoístas. Sabedoria e bom-senso devem vir antes e são tudo.

Beijos

Matilda disse...

Sabe aquelas pessoas que ficam no centro da cidade vestidas com uma placa escrita: "Compro e vendo ouro"? Dá vontade de imprimir o seu texto numa placa e sair pelas ruas afora vestida com ele. Este é um simples e genuíno manual de convivência feliz! É isso aí, Fernanda! E como também diria a minha avó:
"Em boca fechada, não entra mosquito"!!!
Abraço enorme no coração!

carlinha abreu disse...

disse tudo o que eu penso.

tem gente que acha que ser sincero é a atitude mais correta. mas tem aquela história da minha liberdade não poder ferir o outro.

bom saber que existem pessoas como você pra passar essa mensagem. sou sua fã :~~

Anônimo disse...

Eu aprendi uma frase que diz: antes de disparar a flecha da verdade, molhe a ponto dela com mel. É a mais pura verdade, hehehe, taí! Bjos

Artur disse...

Você está certíssima em defender o bom senso no uso da sinceridade. Mas ha uma linha tenue entre o bom senso e aquela "manipulação" de fatos...a qual vc só diz o que vai agradar e "esconde" o que desagrada... o problema é que a gente é gente! em nossas açoes a gente vai demonstrando quem a gente é, por menores que sejam...e começam a entrar duvidas por causa da disparidade entre o dito (no caso, não dito) e as ações, gerando mágoas e decepções. O problema é que as pessoas acabam utilizando este argumento do bom senso para "manipularem" tais informações e acabam entrando numa teia de contradições.

João Lenjob disse...

Olha Nanda, continuo postando cinco poemas diarios em meu blog, http://lenjob.blogspot.com, mas vim apresentar o meu castelo, http://castelodopoeta.blogspot.com, que é interativo, com poemas de outros poetas, videos, curtas, entrevistas, exposições e etc..., sempre de arte, fotografia, moda e esportes alternativos e queria sua visita lá. Aguardo!
Atenciosamente,

João Lenjob

Predicativo
João Lenjob

Acordo em metominia
Vivo em prosopopeia
E durmo poesia
Te amo em soneto
Te conquisto em prosa
Te caso em conto
E em romance te vivo
Te quero em versos
Te faço em rimas
Te dou um sujeito
Te quero meu predicado
Te encho de predicativos
Sinto-te intenso um adverbio
E aprecio teus adjetivos
E quando te conheci percebi:
Eras a minha somada conjunção.

Anônimo disse...

Amiga amei seu blog...seus textos são maravilhosos...serei sua seguidora...ah!!!falar as verdades tb.sempre foi o meu forte...mais eu acho que deve se ter hora e lugar para se falar a verdade as pessoas...eu sempre tive bom senso antes de falar a verdade a alguém...belo texto...beijos queridaaa!!

Ju. disse...

Parabens...
otimo o seu texto
realmente tem muita gente que nao consegue medir suas palavras e acabam sendo desnecessarios em certos momentos.. adorei o texto
parabens mesmoo

PRICILLA CAMARGO DINIZ - A Fada de Olhos Azuis disse...

"as palavras precisam de cuidado para sairem... senão vira um turbilhão e ninguém segura... as palavras precisam de um tempo para maturar... precisa de um cadiquinho de sossego dentro da gente... pq senão arrebentam tudo qdo vão embora" - Pricilla Camargo Diniz

www.http://trinitiazul-pricillacamargo.blogspot.com/2011/01/o-cuidado-com-as-palavras.html

PRICILLA CAMARGO DINIZ - A Fada de Olhos Azuis disse...

bom... as pessoas confundem sinceridade com grosseria...

acho o fim da picada quem não tem tato e se acha o máximo arrotando asneiras na cara de outras pessoas como se fossem verdades absolutas...

o mundo está beirando o caos...

Daphne disse...

Gostei muito do texto. As pessoas, na maioria da vezes, falam demais e acabam por se enforcar com as próprias palavras. No entanto, há aquelas que se escondem por trás de mentiras,demonstrando ser o que no íntimo não são. Acredito que deve haver um meio termo, nem tanto o céu,nem tanto a terra.

Maria Rocha disse...

http://camilafrancini.blogspot.com/2010/09/em-nome-de-que-verdade.html essa garota pega seus textos e readapta :/ dá uma olhada, achei ridículo.

 

Dia 03 de dezembro tem Gabi Mello!

Dia 03 de dezembro tem Gabi Mello!

Anuncie aqui!