Crônicas digitais: Retrato da gente



Ficha técnica:

Direção: Marinho Antunes
Texto: Fernanda Mello
Assistente de direção: Sérgio Oliveira
Assistente de produção: Karina Braga
Música: Roberta Campos e Fernanda Mello
Apoio: Estudio Pro
Apoio: M1 Station


Retrato da gente

Eu acho que não há nada que nos faça sentir tão bem quanto a família da gente. Por mais que haja complicações, maluquices e coisas do gênero. Nossa família nos lembra quem somos. Enxerga nossa essência. Nos conhece do avesso. Amigos também. Mas os poucos amigos que tenho fazem parte da minha família (então, é justo dizer que estão inseridos aqui, nesse texto e contexto).

Família, pra mim, tem a ver com o jeito que você pensa. O modo que você ama. A forma que você vê o mundo.

Hoje eu só queria deixar bem claro que família é pedaço importante meu e dizer que – se existem qualidades em mim – eu devo a eles. É. A gente segue o exemplo que vê em casa e se torna um reflexo do que vivenciamos quando crianças. A gente se espelha em nossos pais, tios e avós, seja no jeito de falar, de rir, de fazer careta. E – claro – no modo de encarar a vida.

Quer me conhecer? Passe uma tarde com meus pais – Seu Márcio e Dona Guilhermina – eu sou a mistura mais louca dos dois. É por eles que eu sou corajosa. É por eles que eu tenho um lado careta e outro nem tanto... Mas – o mais importante – é pela minha família que eu leio um livro por semana, sou apaixonada por música, poesia e por todo tipo de arte.
Olha pai, me desculpa, mas nascer em uma família como a nossa não iria me levar nunca a um concurso público. Enquanto você tocava teclado, mamãe pintava aqueles quadros malucos onde o cabelo da mulher se confundia com o céu e a terra e, bem... Como eu poderia vivenciar esse universo mágico de ter arte dentro de casa e não querer levá-lo pra minha vida toda?

É. De perto, nenhuma família é normal, graças a Deus! A minha não é. E a alegria (e os almoços) que existem lá dentro de casa eu nunca vi em lugar nenhum. Portanto, seja lá como for sua família, agradeça por ela diariamente, de todo o coração. Afinal, se estamos aqui e somos o que somos, é por causa dela.

Feliz dia das mães para todas as mães, presentes ou não. Na terra ou no céu. E pra todos os pais (que hoje revezam com as mães). Com vocês aprendemos o que é amor incondicional. Por vocês, nós somos.



                     
Obrigada a todos pelo carinho e pela força!
Sempre é tempo de se sentir grato. E agradecer.



OBS: Para comprar o livro ou entrar em contato comigo, e só enviar email para fernandamello2006@gmail.com. :)

Ah, quem quiser assistir as crônicas digitais na TV, só ficar ligado na M1 Station (http://www.m1station.com.br/)


35 Fala, coração!:

 

Dia 03 de dezembro tem Gabi Mello!

Dia 03 de dezembro tem Gabi Mello!

Anuncie aqui!