Derramando palavras como se fossem vinho (sim, o título diz tudo)

Eu só queria te lembrar uma coisa: eu estou para muitos. Mas sou para poucos.

E é preciso ter alguma coisa diferente no olhar para mexer comigo hoje em dia. Porque é raro alguém me fazer escrever, sem inventar personagens. Antes, era fácil. Agora, não.

Mas aqui, nesse momento, noite de quinta-feira, olhando para a tela em branco: sou eu.

Eu, do jeito que é minha verdade (e que pouca gente conhece); cara limpa, arte na ponta do nariz, bagunças fazendo refrão.

Aí chega você.

(...)

E sorri daquele jeito bonito que me desarma (Ah,  sorrisos são sempre o que fodem!). E eu tenho vontade de escrever um texto muito foda e muito bonito para ver se cola.

Para ver SE VOCÊ COLA.

E fica.

E eu tento. Tento... Desmancho. Invento. Derramo palavras como se fossem vinho. E bebo. O que poderíamos ser. Ou o que já somos, sem querer.

(Será?)

E, do nada, me vem um lampejo estranho, daqueles que - por sensatez - eu jamais deveria expor: não seria bacana se você também pensasse em mim dessa maneira? E rolasse aquela sincronia, igual às de filme, onde as duas pessoas pensam uma na outra, no mesmo instante?


(...)

É, moço.

Agora complicou.


ps: texto inspirado nesse clipe/música.









0 Fala, coração!:

 

Dia 03 de dezembro tem Gabi Mello!

Dia 03 de dezembro tem Gabi Mello!

Anuncie aqui!