Coisas que importam

O que vale mesmo é quem se preocupa com a gente. O resto - numa boa - é puro fricote.
Ou sentimentos rasos.



A sétima arte, em palavras - Gustavo Rezende

Simplesmente arrebatador! Me faltam adjetivos para descrever a intensidade desse belíssimo drama sobre privação, perda, descoberta e amor incondicional. Sabe aquele filme capaz de despertar os mais diferentes - e intensos - sentimentos no espectador? Esse é o caso de O Quarto de Jack.
Através de sua envolvente narrativa, o longa chacoalha nossos sentimentos, e nos permite vivenciar momentos de apreensão, desespero, pena e compaixão. Um trabalho magnífico do diretor Lenny Abrahamson.
Estabelecido em dois atos, O Quarto de Jack apresenta uma primeira parte de roer as unhas. Composto por uma ambientação claustrofóbica, o primeiro ato norteia todo o sofrimento e abalo emocional que mãe e filho vivem, por estarem presos, há anos, em um quarto. Nascido no cativeiro, Jack não sabe o que é o mundo, suas referências exteriores são transmitidas através de uma velha TV, e das histórias mirabolantes que sua mãe criou para aliviar suas privações. Uma relação de amor maternal intensa, estabelecida através de várias simbologias como, por exemplo, a amamentação. A cena que estabelece a transição do primeiro para o segundo ato é uma mais intensas, angustiantes e emocionantes dos últimos anos, capaz de comover até os mais insensíveis. No segundo ato, O Quarto de Jack passa a nos mostrar a readaptação desses seres ao mundo real, onde a vastidão e as possibilidades tornam-se elementos assustadores e incômodos. Um momento onde a liberdade passa a ser introduzida homeopaticamente em suas vidas. Tecnicamente perfeito, o filme "brinca" com as angulações de câmera, luzes e cores, a fim de transmitir as mais diversas sensaçõe
Com espetaculares atuações de Brie Larson e Jacob Tremblay, o longa ganha uma densidade impressionante. Inclusive, não entendi a ausência de Tremblay entre os indicados ao Oscar. Com um papel complexo em mãos, o garoto consegue entregar uma atuação envolvente e emocionante. Já Brie Larson compõe um personagem repleto de camadas emocionais, onde o amor, a culpa, o desespero e a entrega habitam fortemente seu íntimo.
Forte e humano, O Quarto de Jack é um daqueles filmes que vão abalar as suas estruturas. Magnífico! 



Gustavo Rezende (instagram @gustavosrezende) é publicitário, especialista em desenvolvimento de produtos cosméticos e amante da sétima arte. Criador do instagram @cinediario, contribui semanalmente com críticas, indicações e curiosidades sobre os melhores filmes.
















0 Fala, coração!:

 

Dia 03 de dezembro tem Gabi Mello!

Dia 03 de dezembro tem Gabi Mello!

Anuncie aqui!