O QUE VOCÊ QUER LEVAR DESSA VIDA?

Os ponteiros acusam: a hora escorre pelos dedos. A terra gira mais rápido. As folhinhas do calendário viram depressa demais. Quando percebemos, no meio do caos que nos rodeia, estamos no meio de um plano inacabado, com a ansiedade no colo (e uma lista interminável de insatisfação nas mãos). O resultado? Ansiedade! E uma aflição no peito que não nos deixa parar...
Queremos ser mais rápidos. Mais produtivos. Mais felizes. Mais jovens. Mais conectados. QUEREMOS SER MAIS SEMPRE.
A verdade é que não há nada de errado em se aperfeiçoar, muito menos em querer ser melhor.  A vontade vira problema quando nos tornamos vítimas da nossa própria pressa. E a ansiedade, ao invés de mola, se torna fardo diário na vida da gente. Estou errada? Creio que não.  Tudo ficou fast, gostando ou não do termo.  O novo se torna obsoleto em questão de meses.  Surgem versões atrás de versões, upgrades diários, tanta novidade que a memória não consegue lembrar o número do nosso próprio telefone.
E a gente passa a vida correndo. Calculando. Somando. Tentando... Esquecendo que, no fundo, a vida é um grande clichê e as coisas que REALMENTE fazem diferença são muito simples.
Vejam meu próprio exemplo: há anos atrás, conheci um vendedor de picolé na praia, enquanto ele fazia seu habitual trajeto de venda. O dia estava lindo, o mar tinha uma cor verde-esmeralda incrível e ele perguntou, bem de repente, enquanto eu admirava a paisagem: menina, no fim, o que a gente leva dessa vida? Fiquei sem saber o que responder, afinal não estava preparada para uma pergunta daquelas. E ele mesmo se solucionou, com aquele ar de quem está apenas pensando alto: é, a gente só leva lembranças...
Pronto! Dez anos de terapias poupados. Não quero levar dessa vida uma lembrança que inclui cara feia, trânsito infernal, buzina, palavrão, correria e uma pressa desvairada. Não, não quero.  Não quero faltar aniversários, encontros com amigos, esquecer abraços, me faltar como pessoa por pura falta de tempo. Quero levar, como lembranças, todas as coisas simples que eu considero essenciais: amores. Risos. Beijos. Abraços. Alegrias. Realizações. Palavras. E aquele sentimento de que não vivemos e, sim, desfrutamos a vida. É. Para DESFRUTAR, não existe pressa. 


(Fernanda Mello)


Para ler:
Para quem gosta do Neil Gaiman, corra já para as livrarias! Chegou a biografia “Príncipe de Histórias: Os Vários Mundos de Neil Gaiman”. São 743 páginas! Estou feliz só de olhar para o livro! :)

Para assistir:
O filme "A delicadeza do amor", com Audrey Tautou. Adoro ela!




Para ouvir:



Para ficar mais saudável:




Dica de moda:
Crochê não é mais coisa de vô. Olha essa blusa linda da Emerenciana, feita pela Bianca Lemes: 




Para conhecer mais sobre a Emerenciana, curta a página no facebook e veja esse vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=lfC58JExXcc&feature=youtu.be


Para ficar relax:
O poder terapêutico do som: http://mdemulher.abril.com.br/bem-estar/reportagem/viver-bem/poder-terapeutico-som-682126.shtml

Site bacana para as loucas por makes (muitas dicas!):
http://thebeautydepartment.com/makeup/

Make do dia (Amamos a Vic!):




Doçura do dia:
Torta de limão (de outro mundo!): http://www.nestle.com.br/site/cozinha/receitas/Torta_de_limao.aspx

Para anotar no caderninho:

"Fico imaginando que essa tal “mulher independente”, aos olhos dos outros, pareça ser uma pessoa que nunca precise de ninguém, que nunca peça apoio, que jamais chore, que não tenha dúvidas, que não valorize um cafuné. Enfim, um bloco de cimento.

Quando eu comecei a ter idade pra sonhar com independência, passei a ler afoitamente os livros de Marina Colasanti – foram eles que me ensinaram a importância de abrir mão de tutelas e a se colocar na vida com uma postura própria, autônoma, mas nem por isso menos amorosa e sensível. Independência nada mais é do que ter poder de escolha. Conceder-se a liberdade de ir e vir, atendendo suas necessidades e vontades próprias, mas sem dispensar a magia de se viver um grande amor. Independência não é sinônimo de solidão. É sinônimo de honestidade: estou onde quero, com quem quero, porque quero.

Sobre a questão da independência afugentar os homens, Marina Colasanti brincava: “Se isso for verdade, então ficarão longe de nós os competitivos, os que sonham com mulheres submissas, os que não são muito seguros de si. Que ótima triagem”. (Martha Medeiros).







6 Fala, coração!:

 

Dia 03 de dezembro tem Gabi Mello!

Dia 03 de dezembro tem Gabi Mello!

Anuncie aqui!